Home
História
Garanhões
Doadoras
Matrizes
Embriões
Potras
Potros
Castrados
Localização
Vendas
Contato


Haras Corumba
"O Mangalarga Marchador deve possuir vários versões assim como os automóveis"

Há 15 quilômetros da histórica cidade de Vassouras, região de belas montanhas, matas e trilhas no estado do Rio de Janeiro, encontramos o Haras Corumbá. Propriedade de Luiz Antonio Wanderley, conhecido no meio como Corumbá, o criatório comemora 22 anos de criação e sucesso na raça Mangalarga Marchador.

Para os imediatistas de plantão, pode parecer uma longa espera, mas para o Corumbaense isto se traduz numa base sólida. Trabalho consistente reconhecido não só pela qualidade de seus animais premiados em pistas, mas também pelo volume destes exemplares comercializados para todo tipo de consumidor.

Projeto bem cuidado, inspirado em suas origens rurais, o Haras Corumbá nasceu da vontade de seu proprietário de estar em contato com a natureza e de relembrar, a cada fim de semana que está no criatório, os momentos de sua infância ao lado de seu pai, o fazendeiro Corumbaense, Francisco Mariani Wanderley, proprietário das fazendas Firme, Riozinho e MS. Corumbá herdou de seu pai não só o gosto e o respeito pela terra e pelos animais, como também o feeling para lidar com eles. Desde os seis anos de idade, cuidava de seus cavalos pessoalmente, até mudar para um colégio interno no Rio de Janeiro e ter que abandonar temporariamente suas origens.

Atualmente, o haras conta com uma completa infra-estrutura para criação e seleção da raça Mangalarga Marchador. Seu titular procura conciliar suas responsabilidades profissionais como Diretor do Banco BVA, com as atividades rurais como criador de cavalos no interior do Rio de Janeiro.

“No início, eu não pensava em criar cavalos e sim usá-los em cavalgadas de fim de semana com a família. Tinha em mente a raça Quarto de Milha, por ser a que tive mais contato na lida com o gado na fazenda no Mato Grosso”, afirma Corumbá. “Pesquisando um pouco mais, percebi que no sudeste, o cavalo mais aceito e com maiores possibilidades de mercado era o Mangalarga Marchador, principalmente por sua docilidade e comodidade. Após as primeiras aquisições sem nenhum critério, tive a sorte de passar a contar com as orientações do Dr. Hélio Bello Cavalcanti, com o qual mantinha até então, apenas contatos profissionais no Banco, mais tarde nos tornamos vizinhos de fazenda e ótimos amigos. Com as primeiras lições decidi optar pelas linhagens Herdade, JB e meio sangue Abaíba. Assim formei a base do plantel Corumbá, sempre visando um cavalo forte e de boa marcha”, conclui.

efensor de uma política de comercialização que exprima a realidade do mercado, Corumbá é claro em dizer que produz um cavalo versátil que pode atender aos mais variados tipos de consumidores. Para ele, o Mangalarga Marchados deve possuir várias versões assim como os automóveis. “O marketing das empresas baseia-se nas pesquisas de mercado para desenvolver produtos que atendam as necessidades de cada consumidor e a fábrica se encarrega de produzi-los”, afirma.

Para exemplificar questiona qual é o cavalo, a cor, se serve para disputar títulos, cavalgadas ecológica, enduros ou outras finalidades? Todas as características com preços e finalidades bem definidas. Segundo Corumbá, o Marchador é o único que possui esta “versatilidade mercadológica”. Para ele, os criadores continuam insistindo em divulgar apenas os preços e as aptidões, não exprimem a total realidade desta raça, espantando do mercado grande parte de consumidores em potencial que ficam com a impressão de que cavalo é hobby de uma pequena elite. “As poucas tentativas de desenvolver as várias possibilidades mercadológicas do Mangalarga Marchador foram tímidas ou mal compreendidas, o que é estranho!”, afirma Corumbá, que acredita que esforços não são poupados na tentativa de se desenvolver a raça zootecnicamente e na manutenção deste trabalho, mas acha que são tímidos ao mostrá-la para o grande público.

Com a marcha desenvolvida atualmente pelos criadores da raça, o Mangalarga Marchador se tornou o cavalo ideal também para as fazendas de criação extensiva de gado. Corumbá lembra que anos atrás, os próprios peões destas fazendas se recusavam a montar os cavalos da raça, pois não confiavam nas suas aptidões para a lida diária e não gostavam da qualidade do andamento. A realidade hoje é outra e está sendo muito pouco explorada.

A principal vitrine atual do Mangalarga Marchador é o Enduro Equestre. Por meio de observações e experiências nacionais e internacionais de criadores que já desenvolvem um bom trabalho neste esporte, o Mangalarga Marchador é muito bem aceito pelos esportistas, destacando-se em todas as provas que participa. O alto grau de profissionalismo é outro atrativo para os patrocinadores que investem hoje em equipes e competições em todo o Brasil.

Corumbá salienta ainda como peça fundamental para o sucesso de um criatório a publicidade através de veículos especializados que divulgam o nosso trabalho para todo o Brasil. Acredita que a melhor maneira de se comercializar o cavalo é na fazenda, onde o cliente tem a oportunidade de montar, encilhar e testar o cavalo durante um dia inteiro se necessário. Sendo assim, acaba tornando um amigo que visita periodicamente, troca informações e comprova todas as características que o levaram à compra do animal. Além disso, o cliente tem a segurança de estar comprando o animal direto da fazenda com todas as garantias, sendo um mercado que só se desenvolve com o passar dos anos.

Após 22 anos de seleção, o haras Corumbá é procurado por pessoas que não são conhecidas pelo proprietário e que desejam adquirir exemplares da raça. Um das ações mais importantes do criatório foi o arrendamento do reprodutor, Kondor do Passo Fino que por dois anos integrou o plantel como padreador chefe. Cobrindo as éguas de origem Herdade, JB e as filhas de Mocambo Sargento, garanhão que utilizava até aquele momento. Kondor do Passo Fino tinha tudo para produzir uma tropa forte, moderna e de excelente andamento. Não deu outra, as progênies do garanhão colheram excelentes resultados em importantes exposições, comprovando que o caminho escolhido foi o melhor para o Haras Corumbá.

A conquista de prêmios nas exposições de Juiz de Fora, Jaguariúna, Barra do Piraí, Vassouras, Petrópolis, Guaratinguetá, Rio de Janeiro, Leopoldina, Volta Redonda, Rio das Flores, São Paulo, Casimiro de Abreu, Araruama, Campos, Macaé, São José dos Campos, Avaré, Caxambu e a Nacional em Belo Horizonte confirmam o caminho bem guiado.

Ao definir o criatório Corumbá, Luiz Antonio Wanderley reafirma sua paixão pelo cavalo compartilhada pelos filhos Bruno e Pedro, sua esposa e companheira, Biu. A família é parceira nesta nobre empreitada que deve especiais agradecimentos a criadores como o Dr. Hélio Bello Cavalcanti (Fazenda Paraíso), Joaquim José Schimith (Tinguá), José Geraldo Áreas (JG), Newton Stuzenecker (Porto Azul), Luiz Carlos Bueno (Passo Fino), Marcos Ubiali (Haras MUG), criadores e amigos, com quem Corumbá foi aprendendo a conhecer e a admirar nestes 22 anos do Haras Corumbá (sufixo do Corumbá).

Nestes últimos três anos usamos excelente Doadoras, além de comprar éguas e óvulos de doadoras como:

Honra da Mandassaia, Bonanza D2, Luma do Morro Queimado, Marselha do Porto Azul, Destaque Cinema, Rosa de Ituverava, Favorita do Cardeal, Maria Bonita HRM, Italia da Ogar, Canadá dos Olhos, Estima do Minato, Maíra de Mariflor, Batalha da Nova Tradição, Paquetá de Ituverava, Essência da Mandassaia, Jogatina JB, Época JB, Ironia da Ogar, Gaúcha Traituba, CucaCafé da Panorama e Meiga Tijucana, Sinfonia do Berma, Rocel Ostra, Amaral Relíquia, Boêmia Macadu, Palma do Espinho Preto, Luma meaípe, Andradina D3, Rainha Junqueira, Jatiuca do Guega, Favacho Faca Amolada, Imagem Mocoquense, Soberana de Santa Lucia, Amaral Quadrilha, Amaral Serenata, Cinderela da Nova Geração, Justiça da Mandassaia, Fortuna do Paraíso, Miss JB, Galocha EAO, Jogatina JB, Lady da Piura, Vaidosa da Selva Morena e Jandaia da Catimba. Gaita MPS, Jangada da Aldeia, Negra da Santa Esmeralda, Invicta da Gema, Pirâmide do Paredão, Cintia MA, Pantera do Conforto, Quebeleza CF da Sercore, Hidráulica EAO, Madona da 3F, Safada do Berma, Bela do Comboio, Xula JB da Ogar, Insulina da Coxilha Grande, Moeda JB, Safira do Mardon, Atlântica Kafe da Panorama, Madrinha da Vandja, Flor do Expoente, Noviça Serena, Traituba Cantora, Cegonha do Caito, Gafieira das Aroeiras e Imburana das Aroeiras.

Hoje o Haras Corumbá esta usando os garanhões de sua linhagem:

  • Índio do Corumbaense (Namorada AJ x Brigite da Nova Geração)
  • Ponteio do Corumbá (Índio do Corumbaense x Rosa de Ituverava)
  • Raro do Corumbá (Único Edu x Amaral Reliquia)
  • Sincero do Corumbá (Kondor do Passo Fino x Rocel Ostra)
  • Topázio do Corumbá (Kondor do Passo Fino x Batalha Nova Tradição)
  • Sabetudo do Corumbá (Tigrão Kafé x Pérola do Corumbá)
  • Requinte do Corumbá (Torpedo da Zizica x Favorita do Cardeal)
  • Segredo do Corumbá (Nobre Santa Lucia x Maria Bonita HRM)

Usamos também os Garanhões Favacho Estanho, Guarita da Seara Dourada, Jogo JB, Bônus Secretário, Tigrão Kafe e Candidato do Sertão.

Na estação de monta 2010/2011, vamos usar o reprodutor Poeta da Certeza, do amigo e parceiro, Robson Diniz, do Haras das Aroeiras (Paraopeba-MG). Tive a oportunidade de conhecer sua produção, principalmente suas filhas montadas, todas com muita comidade, temperamento de sela e beleza.

 

 

 

www.flickr.com


Haras Corumba - Todos os direitos reservados